Você está em: Notícias»Programa Medicamento em Casa tem projeto aprovado pelos vereadores

Programa Medicamento em Casa tem projeto aprovado pelos vereadores

Programa Medicamento em Casa tem projeto aprovado pelos vereadores
O Legislativo de São Lourenço do Oeste aprovou nessa segunda-feira (11) o projeto de lei que institui o Programa Medicamento em Casa. Idealizado pelo Executivo, o programa visa assegurar as pessoas acamadas (restritas ao leito) e cadeirantes, o recebimento gratuito, em sua residência, de medicamentos fornecidos pela rede municipal de saúde para tratamento contínuo de doenças crônicas. Na mensagem do projeto, o gestor municipal lembra que é dever do Estado garantir políticas sociais e econômicas que assegurem o direito a saúde dos cidadãos reduzindo o risco de doenças e de outros agravos e ao acesso unível e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. O Executivo explica que a medida é voltada ao cidadão lourenciano que necessita de um tratamento contínuo para sua enfermidade, que em decorrência da sua doença não consegue estar presente nas unidades básicas de saúde para a retirada de seu medicamento. “O programa beneficiará ainda as Unidades Básicas de Saúde do Município, uma vez que eliminará a necessidade presencial desses pacientes a um ambiente que muitas vezes poderá agravar suas condições de saúde, garantindo assim que apenas pessoas que necessitem de atendimento aguardem no local”. Na discussão, a vereadora Vania Baldissera (MDB) enalteceu a iniciativa do Executivo. “Para quem é acamado, quem é cadeirante, é muito importante que alguém possa levar esse medicamento na casa. É qualidade de vida, é conforto para essa pessoa, é dignidade.” Vania observou, no entanto, a possibilidade aprimorar o programa incluindo a visita de farmacêutico para orientar também o acompanhante sobre o uso da medicação. “É um profissional de suma importância. Aí sim nós estaremos fazendo essa saúde com qualidade, como preconiza o SUS, que tem como princípios a universalidade, a integralidade e a equidade”, concluiu.


© 2019 - Desenvolvido por Lancer